Mantra

omO mantra é uma prática oriunda do hinduísmo, tendo uma prerrogativa de que tudo o que é mentalizado existe. Para  entender isso basta pensar que todos os planos de existência são feitos de energia. Sendo assim a energia de alguns desses planos, os mais próximos do ser humano, sofre diretamente aquilo que falamos, pensamos, comemos, fazemos. Tudo o que é pensado intencionalmente por um período de tempo gera força. Essa força expande o pensamento como se ao vibrar o centro as periferias da energia em um dado momento começarão a vibrar na mesma proporção. Como uma oscilação na água causada por uma pedra. Assim sendo uma prática regular de mantralização é uma boa fonte de força. Já a qualidade dessa força é totalmente proporcional ao que se mantraliza.

Isso leva ao pensamento de que já praticamos isso sem percebermos. Durante o dia quantas vezes ao todo você fala que não consegue? Quantas vezes você pensa que é incapaz, ou está longe de ter o que quer, que não terá algo, que não chegará no lugar desejado? Isso tem o mesmo efeito do mantra. Contudo para sanar isso temos duas possibilidades:

1- vete todo e qualquer pensamento ou ação da qual resulte num significado que você não deseja

2- sempre que possível nesses momentos que o hábito se demonstrar indesejado mantralize o inverso.

Dicas interessantes para desenvolver seus próprios mantras:

planos Todo e qualquer mantra deve ser desenvolvido no tempo verbal presente. Não se deve utilizar o “não”. Se possível adicione imagens mentais ao ato de mantralizar criando assim um campo mais forte. Não adianta mantralizar sentido fome, cansaço, estafa ou algo do tipo. Procure os momentos onde a mente está menos atribulada. Antes do mantra procure relaxar o corpo e a mente. Esperar alguns minutos em silêncio pode ser benéfico. Todo e qualquer exercício vocal necessita de um período esquentando a voz – respiração de cachorro (inspirar e soltar rapidamente sem causar dor para esquentar o diafragma), Inspirar lentamente e quando for soltar o ar deixe a língua tocar os dentes de forma a fazer o som ou de “s” ou de ”z” também lentamente. A respiração deve ser diafragmática e não torácica. Escreva antes o mantra e decore-o para não se esforçar durante o mantra ao tentar lembra-se. Frases curtas, ritmadas e com rima são melhores e mais eficazes. Preste atenção as imagens que vierem sem sua vontade, elas podem já demonstrar algo relacionado ao que se deseja com o mantra. O mantra deve se tornar uma prática diária e que não seja chata. Se não consegue ou não gosta não adianta o esforço, melhor mesmo nesse caso, pelo menos, livrar a mente dos mantras negativos.

Sugestão:

Enquanto visualiza uma luz lhe banhando por inteiro: “É tanta força, é força é força. É tanta luz, luz, luz. É tanta vida que pulsa em mim, que pulsa em mim. Purificando-me, fortalecendo-me, elevando-me”

Ao finalizar para não sair de supetão do ato, procure voltar a respiração ao normal, abrir os olhos lentamente e se desejar junte as mãos como numa oração e agradeça a vida, ao TODO e a si mesmo, podendo fechar o processo com um “amém” ou “que assim seja” ou “hoje e sempre”! Namastê!

S.O.Q.C.

Comentários
2 Comentários