CAOS

aglomeravam-se em algum ponto tudo e ainda continua. Mas não como afirmam ter sido com o Big Bang. Tudo, como numa sopa atritava-se freneticamente. Faíscas gigantescas arrasavam tudo por onde ocorriam. Os deuses estavam furiosos. Curiosamente esse não é o começo nem o fim do universo já que isso não existe. E estamos olhando o conjunto inteiro como se de fato fosse uma coisa só e não é. Olhando de fora assim até parece que nada faz sentido e a destruição é a única coisa lógica, não é? Já teve essa visão do todo? Uma quantidade enorme de situações e coisas acontecendo todas ao mesmo tempo. Sem razão aparente tudo se consome e se transforma. Luz e escuridão bailam no meio do nada, mas esse nada é só uma forma de compreender que todas essas coisas estão pairando suspensas numa malha fina chamada realidade. E que esse limite desta bolha gigante não existe de fato. Mas ainda continuamos a ver tudo isso como uma coisa só. Entretanto o nosso ponto de vista atual é errado, falso. Não conseguiremos sem auxílio da imaginação colocar-nos de fora dessa sopa, nós somos parte desta sopa e assim sendo o universo é onde tudo se aglomera. Contudo quando chegamos na borda, esta suposta borda se alonga para além de onde enxergamos e assim sempre será, pois o nada é parte do todo e é por isso que é impossível alcançar a borda já que ela não existe. E quando pensamos estar no nada, este nada é somente um pedaço, um pequeno pedaço cheio de coisas a desqualifica-la.

a arte da simplicidade

Estamos rodeados de brilhos a encher nossas expectativas. Os livros nos fazem crer que só o mais caro dos artefatos são úteis. Entretanto sem um sentimento real a magnetizar o objeto e a ação nada feito. É quando numa caminhada na mata a recolher alguns gravetos chegamos a fazer muito mais do que com alguma parafernália valiosa. A simplicidade é uma habilidade do olhar. Sem essa sensibilidade podemos deixar coisas importantes passarem despercebidas. Quantas e quantas vezes pensei em comprar um livro especial para faze-lo de meu diário. Entretanto nessa espera deixei de fazer o mais importante que era anotar minhas experiências e pensamentos. Nesse caso era muito mais útil utilizar qualquer caderno para isso, guardando com cuidado estes registros o resultado seria o mesmo.

elucubrações IV

O caminho se abre para todos e teimamos em nos sentir especiais quando avançamos por eles. O trabalho que enfrentamos nos dão a falsa impressão de que de fato estamos acima de algo, ou por cima da banda podre e isso nada mais é do que uma ilusão...

da mata ao urbano... adaptando-se

Ao longo dos anos algumas coisas foram difíceis de digerir. O primeiro entrave, devido a carga cristã na infância, foi lidar com o conceito de bem e mal, pois como todos sabem, qualquer coisa além do cristianismo é por si só algo maléfico. Eu poderia me considerar um iniciante tolo e medroso e não por menos, já que o destino do inferno permeia qualquer um que seja um pouco mais aberto a novas correntes e conceitos. Um ritual com fogueira foi o estopim para alçar voou. Nesta época fiz algumas coisas simples como rituais relacionados aos elementos mais básicos e isso abriu minha mente ainda mais. Tendo superado isso investi em estudar cada vez mais e por força das circunstâncias o hermetismo surge e todas as coisas correlatas começaram a fazer algum sentido.

novos caminhos



O Zzurto é um blog sobre minhas práticas e dos autores vinculados. O objetivo dele desde sempre foi colocar pra fora todas as ideias que circundam a mente de quem já vem praticando várias coisas ao longo dos anos. Contudo não temos interesse em criar sistemas, dogmas ou algo do tipo. Nosso interesse sempre será o de trazer a tona ideias que nos iluminaram e que poderão iluminar vocês. Não sigam nada cegamente. Testem tudo sempre. Busquem saber mais do que sabemos. E tragam ideias novas e se necessário nos corrijam. O blog agora conta com um domínio próprio. Podemos chamar o Zzurto de site e o endereço antigo redirecionará você para o domínio certo.
Temo ter de explicar o tempo que passamos sem atualizar nada por cá nem na coluna no TDC. A vida exigiu muito mais do que esperávamos, precisamos de tempo para nós mesmos para digerir tudo o que nos vem ocorrendo. É um tempo de renovação e não podemos nos descuidar.
Espero que neste ano novo possamos estar mais presentes nesse elo virtual que é este espaço. Insistirei em escrever ao menos uma vez de quinze em quinze dias. Entretanto o silêncio sempre será melhor do que falar por falar então nos perdoem se por qualquer motivo não consigamos levar adiante esta empreitada de atualizar sempre.
Dito isto, agradeço a todos terem curtido a página no facebook e no google plus. A cara geral do site Zzurto está para mudar. Por enquanto fica o layout antigo enquanto testamos novas maneiras mais agradáveis de trazer estas ideias para vocês. Entretanto aceitamos sugestões a esse respeito. Admito que gosto deste layout.

Grato pela compreensão de todos.

endereço novo: www.zzurto.com.br